Vi essa guloseima numa rede de comidas saudáveis quando passeava com a minha namorada, e de cara despertou meu interesse. Consegui encontrar a receita e fiz uma leve adaptação para agradar um pouco mais meu paladar. O sabor me surpreendeu muito, vale a pena fazer em casa e conferir:

Ingredientes
2 cenouras raladas
1 lata de leite condensado
1 colher de sopa de manteiga

Cobertura de chocolate
1 xicara de cacau em pó
2 colheres de margarina light
2 colheres de açúcar cristal
2 colheres de leite

Como fazer?
Bata a cenoura ralada com o leite condensado. Após bater bem, junte a manteiga e leve em fogo médio mexendo sem parar, faça isso até desgrudar do fundo da panela. Depois é só enrolar com cuidado e banhar com a cobertura de chocolate que vou ensinar a fazer ali em baixo.
A cobertura é simples demais. É só misturar tudo em fogo médio até ficar bem cremoso. Pronto. ♥

worrisomethings:

ma vie, chaque jour, tous les jours

Reblogged via quedoceseja: amar e equilibrar

Reblogged via renermelo: Rener Melo

Passei uma tarde inteira chorando e me lamentando por ter perdido a única pessoa que eu realmente cheguei a amar, por um erro meu, é claro. A capacidade de ser um babaca domina a espécie humana em geral, em diversas ocasiões isso é comprovado, desde o jardim de infância até a velhice vemos casos muito distintos da babaquicezofria: crianças já seguram a mão de duas meninas, e velhos confundem o nome de suas esposas (o segundo chega a ser justificável, mas magoa da mesma forma.).
Quando cheguei ao fundo do poço emocional, decidi que já era hora de agir, superar minhas mágoas e ser um homem de verdade. Lógico que isso não durou nem 5 minutos, mandei aos prantos que sentia falta dela e que não suportava mais isso. Droga, eu não tinha um Plano B, e parecia que o mundo ia desabar sobre a minha cabeça, talvez fosse pela dor de cabeça, eu não sei.
Em um desses dias, me peguei olhando nossas fotos, ela era a garota mais linda do universo, é impressionante o quanto a carência prega peças, eu ouvia sua risada e sentia seu cheiro como nunca. A Garota Mais Linda do Mundo estava deitada do meu lado, e eu pude abraça-la e dizer o quanto a amo em seu ouvido. Dormimos de conchinha, e eu finalmente era o cara mais ex-deprimido do mundo. Mas aquele se chamava conforto, e no fundo machucava tanto quanto a realidade.
Eu estava de férias, e não tinha com o que ocupar meu tempo, que eu esperava dedicar a ela, então resolvi iniciar a primeira Maratona Degustadora Café. Pedi para minha mãe comprar várias qualidades de pó artesanal em diversos estabelecimentos diferentes. Confesso ter sido uma aventura e tanto, sem contar o nível de ansiedade intensificada devido à cafeína e a agitação sem fim.
Perdi noites de sono devido ao café, e não tinha mais o que fazer na internet ou ver na TV. Restou-me ler os livros que acumulei durante o ano. Identifiquei-me com diversas personagens e suas aflições. É impressionante como esses autores tocam nossas almas com tragédias e dramas adolescentes ou ficções futurísticas num mundo pós apocalítico sem esperança.
Acabaram os livros, que me interessassem, claro, e mais uma vez não tinha com o que ocupar minha mente. Resolvi que uma aventura ao melhor estilo George Raymond Richard Martin era o aconselhável. Infelizmente a parte de dragões, batalhas épicas e reinos misteriosos não se encaixavam a realidade em que eu me encontrava, na verdade não se encaixa a realidade de ninguém, enfim, eu esperava fugir da rotina com algum programa diferente.
Uma madrugada nas montanhas assando marshmallows e olhando as estrelas era perfeito. Às cinco da manhã lá estava eu, sozinho namorando o céu. É claro que batia uma saudade aguda da presença dela, mas eu finalmente entendi que eu precisava de um tempo comigo mesmo, era o melhor a fazer.

Reblogged via quem-alemdevoce: I do, Augustus. I do.

Quanta saudade cabe no infinito? É o que tenho me perguntado.
Creio não ter sido feito para o amor, ou talvez seja ele que não tenha sido feito para mim. Dizem que o verdadeiro não dói, mas isso é mentira, todos os dias aquela dor aguda e sem cura me assombra, e aquele vazio que você deixou é torturante. Os dias se tornaram cada vez mais longos com a chegada do verão, e já não tenho onde esconder o tempo, ou guardar a solidão.
O teto de meu quarto é o unico lugar onde eu encontro o conforto, e é nele que perco meus pensamentos e trago à tona aquelas lembranças que, apesar de me torturarem, me deixam mais perto de você.
Escrevo, porque sei que irá entrar aqui e ler tudo isso, escrevo porque essa é a única forma de você me entender e acreditar que o que sinto é real. Eu sinto sua falta mais do que nunca.

Eu te revivo a cada esquina e a cada rosto estranho na rua, e eles não me parecem mais tão estranhos. Eu te ouço naquelas músicas que sempre tocavam em seu ipod. Te cheiro naquele perfume, que chega junto ao vento quando eu menos espero. Sinto seu calor em meus sonhos, eles nunca me pareceram tão reais. Eu te supero todos os dias, e a ainda assim a saudade enche meu coração e transborda pelos olhos. Eu secretamente lhe conto meus segredos e pesares. Escuto sua risada, e é impossível não sorrir junto. Recebo todas as noites seu delicado beijo enquanto durmo, sim, eu consigo sentí-lo. Te espero naquele mesmo lugar de sempre, e sofro com a poeira que cobre teu vazio.

Me acorde antes que amanheça, Grande Talvez,

Meu tempo anda curto, e tenho pressa para viver

Talvez as quedas sejam duras, mas estarei em pé antes que perceba,

E cantarei aquela mesma canção de sonhar,

E abriremos nossas asas para voar,

Não me decepcione, Destino,

Entregarei meu coração em suas mãos,

E todas aquelas pessoas que um dia magoei,

Abrirão seus braços para me receber,

Porque ninguém é feliz sozinho,

É o que tenho aprendido com esse meu triste caminho,

Oh, Grande Amor, por que vai tão cedo?

Eu ainda não lhe provei o meu sentimento,

Sei que também tem pressa para ser feliz,

Mas, acredite, minha felicidade depende da sua,

Então aceite minha vida como garantia,

Pois sem você ela nao possui valor algum, ou brilho próprio,

Estrelas, me escutem,

Vocês, minhas companheiras fiéis,

São tudo o que tenho,

E mesmo com a distância,

Eu sei que oram por mim,

Então, façam-me juras de amor,

E acreditar que não estou sozinho,

Dê-me esperança,

E sequem as lágrimas que me embaçam a vista,

Pois perdi a fé nas pessoas e suas boas intenções.

Eu não sei o por que sinto tanto, ou sinto nada, ou, na verdade, não sei o que é sentir. Eu vejo coisas e as transfiro para dentro de mim, e isso é tudo. Eu tenho um abismo onde um dia foi meu coração, e isso é duro. Minha mãe costumava escrever cartas para um amor sonhado, ela sentia a saudade. Eu escrevo sobre perdas, e o quanto elas doem. Perder um bichinho de estimação, um parente, um número de telefone, ou até mesmo o vazio que a falta de um adeus deixa, dói demais. E é sobre dores que escrevo. A dor do nunca mais, do nunca visto, do nunca sentido. E é sobre esperança que escrevo. Todos têm um pouco de esperança dentro de si, até daquilo que não volta, até dos planos, do tempo, do amor perdido. O amor não devia doer, mas às vezes a lembrança dele sufoca. E enquanto faço dos sentimentos palavras, a porta continuará aberta, caso um dia queira voltar.

Essa lista é uma tradução, o texto original e em inglês é do World Observer Online.


1. Desista da sua necessidade de estar sempre certo

Há tantos de nós que não podem suportar a ideia de estarem errados – querem ter sempre razão – mesmo correndo o risco de acabar com grandes relacionamentos ou causar estresse e dor, para nós e para os outros. E não vale a pena, mesmo. Sempre que você sentir essa necessidade “urgente” de começar uma briga sobre quem está certo e quem está errado, pergunte a si mesmo: “Eu prefiro estar certo ou ser gentil?” (Wayne Dyer) Que diferença fará? Seu ego é mesmo tão grande assim? 

2. Desista da sua necessidade de controle

Estar disposto a abandonar a sua necessidade de estar sempre no controle de tudo o que acontece a você e ao seu redor – situações, eventos, pessoas, etc. Sendo eles entes queridos, colegas de trabalho ou apenas estranhos que você conheceu na rua – deixe que eles sejam. Deixe que tudo e todos sejam exatamente o que são e você verá como isso irá o fazer se sentir melhor.

“Ao abrir mão, tudo é feito. O mundo é ganho por quem se desapega, mas é necessário você tentar e tentar. O mundo está além da vitória.” Lao Tzu

3. Pare de culpar os outros

Desista desse desejo de culpar as outras pessoas pelo que você tem ou não, pelo que você sente ou deixa de sentir. Pare de abrir mão do seu poder e comece a se responsabilizar pela sua vida.

4. Abandone as conversinhas auto-destrutivas

Quantas pessoas estão se machucando por causa da sua mentalidade negativa, poluída e repetidamente derrotista? Não acredite em tudo o que a sua mente está te dizendo – especialmente, se é algo pessimista. Você é melhor do que isso.

“A mente é um instrumento soberbo, se usado corretamente. Usado de forma errada, contudo, torna-se muito destrutiva.” Eckhart Tolle

5. Deixe de lado as crenças limitadoras sobre quem você pode ou não ser, sobre o que é possível e o que é impossível. De agora em diante, não está mais permitido deixar que as suas crenças restritivas te deixem empacado no lugar errado. Abra as asas e voe!

“Uma crença não é uma ideia realizada pela mente, é uma ideia que segura a mente.” Elly Roselle

6. Pare de reclamar

Desista da sua necessidade constante de reclamar daquelas várias, várias, váaaarias coisas – pessoas, momentos, situações que te deixam infeliz ou depressivo. Ninguém pode te deixar infeliz, nenhuma situação pode te deixar triste ou na pior, a não ser que você permita. Não é a situação que libera esses sentimentos em você, mas como você escolhe encará-la. Nunca subestime o poder do pensamento positivo.

7. Esqueça o luxo de criticar

Desista do hábito de criticar coisas, eventos ou pessoas que são diferentes de você. Nós somos todos diferentes e, ainda assim, somos todos iguais. Todos nós queremos ser felizes, queremos amar e ser amados e ser sempre entendidos. Nós todos queremos algo e algo é desejado por todos nós.

8. Desista da sua necessidade de impressionar os outros

Pare de tentar tanto ser algo que você não é só para que os outros gostem de você. Não funciona dessa maneira. No momento em que você pára de tentar com tanto afinco ser algo que você não é, no instante em que você tira todas as máscaras e aceita quem realmente é, vai descobrir que as pessoas serão atraídas por você – sem esforço algum.

9. Abra mão da sua resistência à mudança

Mudar é bom. Mudar é o que vai te ajudar a ir de A a B. Mudar vai melhorar a sua vida e também as vidas de quem vive ao seu redor. Siga a sua felicidade, abrace a mudança – não resista a ela.

“Siga a sua felicidade e o mundo abrirá portas para você onde antes só havia paredes” Joseph Campbell

10. Esqueça os rótulos

Pare de rotular aquelas pessoas, coisas e situações que você não entende como se fossem esquisitas ou diferentes e tente abrir a sua mente, pouco a pouco. Mentes só funcionam quando abertas.

“A mais extrema forma da ignorância é quando você rejeita algo sobre o que você não sabe nada” Wayne Dyer

11. Abandone os seus medos

Medo é só uma ilusão, não existe – você que inventou. Está tudo em sua cabeça. Corrija o seu interior e, no exterior, as coisas vão se encaixar.

“A única coisa de que você deve ter medo é do próprio medo” Franklin D. Roosevelt

12. Desista de suas desculpas

Mande que arrumem as malas e diga que estão demitidas. Você não precisa mais delas. Muitas vezes nos limitamos por causa das muitas desculpas que usamos. Ao invés de crescer e trabalhar para melhorar a nós mesmos e nossas vidas, ficamos presos, mentindo para nós mesmos, usando todo tipo de desculpas – desculpas que, 99,9% das vezes, não são nem reais.

13. Deixe o passado no passado

Eu sei, eu sei. É difícil. Especialmente quando o passado parece bem melhor do que o presente e o futuro parece tão assustador, mas você tem que levar em consideração o fato de que o presente é tudo que você tem e tudo o que você vai ter. O passado que você está desejando – o passado com o qual você agora sonha – foi ignorado por você quando era presente. Pare de se iludir. Esteja presente em tudo que você faz e aproveite a vida. Afinal, a vida é uma viagem e não um destino. Enxergue o futuro com clareza, prepare-se, mas sempre esteja presente no agora.

14. Desapegue do apego

Este é um conceito que, para a maioria de nós é bem difícil de entender. E eu tenho que confessar que para mim também era – ainda é -, mas não é algo impossível. Você melhora a cada dia com tempo e prática. No momento em que você se desapegar de todas as coisas, (e isso não significa desistir do seu amor por elas – afinal, o amor e o apego não têm nada a ver um com o outro; o apego vem de um lugar de medo, enquanto o amor… bem, o verdadeiro amor é puro, gentil e altruísta, onde há amor não pode haver medo e, por causa disso, o apego e o amor não podem coexistir), você irá se acalmar e se virá a se tornar tolerante, amável e sereno… Você vai alcançar um estado que te permita compreender todas as coisas, sem sequer tentar. Um estado além das palavras.

15. Pare de viver a sua vida segundo as expectativas das outras pessoas

Pessoas demais estão vivendo uma vida que não é delas. Elas vivem suas vidas de acordo com o que outras pessoas pensam que é o melhor para elas, elas vivem as próprias vidas de acordo com o que os pais pensam que é o melhor para elas, ou o que seus amigos, inimigos, professores, o governo e até a mídia pensa que é o melhor para elas. Elas ignoram suas vozes interiores, suas intuições. Estão tão ocupadas agradando todo mundo, vivendo as suas expectativas, que perdem o controle das próprias vidas. Isso faz com que esqueçam o que as faz feliz, o que elas querem e o que precisam – e, um dia, esquecem também delas mesmas. Você tem a sua vida – essa vida agora – você deve vivê-la, dominá-la e, especialmente, não deixar que as opiniões dos outros te distraiam do seu caminho.

Eu não tinha interesses. Eu não tinha interesse por nada. Não fazia a miníma ideia de como iria escapar. Os outros, ao menos, tinham algum gosto pela vida. Pareciam entender algo que me era inacessível. Talvez eu fosse retardado. Era possível. Freqüentemente me sentia inferior. Queria apenas encontrar um jeito de me afastar de todo mundo. Mas não havia lugar para ir. Suicídio? Jesus Cristo, apenas mais trabalho. Sentia que o ideal era poder dormir por uns cinco anos, mas isso eles não permitiriam.
— Charles Bukowski    

(Source: drobled)

Reblogged via sonhosdesafinados: Sonhos Desafinados

Reblogged via deposito-de-tirinhas: Depósito de Tirinhas

(Source: cherrybam)

Reblogged via aviventando:

(Source: mindfrick)

Reblogged via orionfalls: Believe in Yourself.

Então me pego me embebedando com vinho e folheando uma Readers Digest que sequestrei das coisas da minha mãe. É nessa hora que penso que um seguro de coração partido cairia bem, investiria uma boa grana para sair da fossa e encher mais a cara.
Sou um desajustado, eu sei, mas não ligo para a solidão, talvez é o que quero acreditar, e me conforta pensar assim. Ando meio sem paciência para a sociedade em geral, todo mundo parece tão babaca, por isso virei um vampiro e dou a honra de minha presença à minha sombra e ao meu reflexo no espelho, que aliás me ama incondicionalmente.
Mas sempre vem aquele perfume, aquele doce aroma que me assombra dia e noite e faz com que meus olhos se encham de lágrimas, meu nariz fique irritado e meu coração apertado, talvez seja alguma reação alérgica, eu não sei.
E assim vou me enganando, me convencendo de que amanhã é outro dia, e que apesar de tudo, você ainda estará lá me esperando.